/** PIXELS **/ /** PIXELS **/ 9 poemas sobre o tempo e cheios de saudade | Christian von Koenig
Site Overlay

9 poemas sobre o tempo e cheios de saudade

Somos “barcos contra a corrente”, como diria F. S. Fitzgerald. É natural, portanto, que poemas sobre o tempo ou poemas de saudade sejam comuns.

Na minha poesia, a exemplo do que você lerá abaixo, o tempo, a saudade, a reflexão e a infância são temas frequentes. Então, trago a seguir alguns versos, entre os muitos poemas sobre o tempo que já escrevi, para seu proveito.

Boa leitura! E não se esqueça de dar os créditos ao compartilhar.

Foto da Ponte hercílio Luz em florianópolis, símbolo do tempo
Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, símbolo do tempo. (Foto de Christian von Koenig)

Poemas sobre o tempo e a saudade

Como barcos contra a corrente

Janeiro virá, como outros antes,
Com a velha promessa feita a esmo.
Mudam os meses, passam os instantes,
Apenas não mudamos a nós mesmos.

À sombra do verão, um leviano
Otimismo recobre então a terra
Por um ponto final no novo ano
Ao conto que dezembro nunca encerra.

A sina inevitável nos impele
A encarar a memória contumaz
Como se tatuada sobre a pele
– Temos a vida toda para trás.

Mas quem se negará a inútil crença
De escrever uma história diferente,
Por mais breve que a fuga nos pareça,
Com tão longo passado pela frente?

24/12/19

A esquina do tempo

Eu encontrei comigo na esquina do tempo;
O estranho tinha meu andar e meu semblante,
Mas seu olhar radiava de contentamento
E trazia um sorriso que não vira antes,
Embora em mim pudesse até imaginar.

Para minha surpresa, sem qualquer espanto,
Como se esse momento há muito esperasse,
Pousou a mão no meu ombro e disse este tanto:
O que te trouxe aqui já não te turva a face,
Agora em teu caminho sou eu a passar.

07/11/12

Passado

Sempre que olhamos para algo ou alguém
o que vemos é um passado.
E não falo de fenômenos óticos,
mas de outro, humano e interior.

Fins não rompem laços;
em cada rosto lembrado há uma história interminável,
especialmente naqueles aos quais nos afeiçoamos.
Tampouco sentimentos deixam de existir.
Depois do amor sobram infinitas formas de sentir,
só não existe volta.

O que esses rostos conhecidos narram
nunca é um agora,
nunca é como na primeira vez;
antes, é o resultado de todos os passados.
De todos os templos, o da memória é o maior.

É por isso que o futuro nos parece tão incerto,
pois quando olhamos para frente
não vemos senão a projeção
desse passado inextinguível.

27/03/12

Poemas tristes sobre lembranças

Aniversário

Soubera meu amor
quantas primaveras
marca o outono
de sua memória,
o que diria do inverno
que meus dias
ainda verão?

03/08/17

A memória

Entre as bestas criadas pela natureza,
A memória decerto é a mais voraz –
A que tudo devora e nada a satisfaz,
A caçadora prestes a tornar-se presa.

Na bocada lhe resta apenas a certeza
Da avidez bestial que nunca se compraz,
Incitando sua própria fome contumaz
Nos despojos já frios da vítima indefesa.

A vã fuga mantém-se em círculos, com pressa –
É maior a memória quanto mais regressa.

01/11/16

Exercício de esquecimento

Quando penso em ti tua imagem ora tem
Aquele brilho vago como o das estrelas –
Por mais que reluzas – e o fazes bem –
Só recebo a tua luz depois de já perdê-la.

Pouco a pouco a lembrança de ti se desbota:
Os teus olhos se fecham como um céu nublado,
Tua voz se enche de silêncio e a tua boca
Não me mantém à noite em sonhos acordado.

Assim eu faço do ato de esquecer-te um hábito
Até que um novo amor venha suplantar este –
Até que eu te esqueça de um modo tão tácito
Que não mais lembre que precise inda esquecer-te.

12/02/14

Once I was a river

No mundo achei tudo que ao olho se proclama,
De cada corpo d’água a porção de terra,
E do que vi não há mais triste panorama
Que a imagem que este vale em si encerra:

Nele, dois rios vizinhos andam pela grama
Numa proximidade tão certa e sincera,
Mas nenhum sobre o outro algures se derrama,
Tampouco o mar no fim do caminho os espera.

Hão de passar assim, sombras de si, tão rentes
E tão distantes ao alcance, eternamente,
Que por isso entristeço; porque desde então

Registrei-os de tal maneira em minha mente:
Andam juntos dois rios na mesma direção,
Cujas águas, porém, jamais se encontrarão.

13/12/13


Poemas sobre infância

Eterna busca

Tradução dum outro poema de minha autoria.

Longe, sempre tão longe tu estás,
Depois de meus cigarros, minhas taças
E de cada cidade que se passa,
Sinto que te abandono um pouco mais.

Tentei te procurar sem ter-te achado;
Tu me serás um rumo dessabido,
Causa daquilo que tenho vivido,
Que se distancia triste e assustado.

Agora te percebo. Vi-te, sim,
Profundamente perto – ali mesmo –
Oculto pelas sombras neste abismo
Que fundei sobre ti, criança em mim.

2010

Primeiros versos

Aos seis anos eu já sabia rimar
Mal tinha palavras e as escrevia
Na primeira idade vivia poesia
Servia à importância de meu lugar.

Haveria o dia de buscar motivo
Alguma razão despercebida
Uma causa de ter vencido a vida
A desculpa para continuar vivo.

Chegou o porquê de ter existido
E de o querer eu o avistei escrito
Em versos e rimas pelo infinito –
Não fosse poeta, não teria sentido.

Lima (Miraflores) 2008


Observações desses poemas sobre o tempo

Todos os poemas sobre o tempo desta página foram escritos por mim, Christian von Koenig.

  • Como barcos contra a corrente“: ilustrando essa temática dos poemas de saudade, pego emprestado o clássico final do romance “O Grande Gatsby” para desenvolver esses versos.
  • A esquina do tempo” e “Passado“: são poemas de reflexão sobre a natureza do tempo. É preciso compreender e aceitar o passado para seguir em frente.
  • Aniversário“: é um poema curto sobre o tempo, com evidentes alusões à passagem das estações. Assim, é um “poema de aniversário” de uma saudade que não se desfaz.
  • A memória” e “Exercício de esquecimento“: são dois poemas engraçados, apesar da temática triste, a meu ver. Quanto mais buscamos esquecer, mais lembramos.
  • Once I was a river“: um poema de amor malfadado, meu favorito entre todos os que já escrevi. O título da poesia quer dizer “Certa vez fui um rio”, mas prefiro a sequência de palavras em inglês porque acho tal sonoridade belíssima.
  • Eterna busca” e “Primeiros versos“: são poemas sobre a infância, escritos por um Christian jovem. Comparando “Eterna busca” com “A esquina do tempo”, vê-se um caminho de conciliação entre esses dois momentos.

Então, gostou dessa seleção de poemas sobre o tempo e a saudade? Leia também minhas poesias de amor aqui no blog e demais versos no livro Poemas Cheios de Vazios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up